segunda-feira, abril 10, 2006

releituras - zaptlogs

Nesta semana o professor André Lemos me passou um texto que eu já havia visto mas não lembrava mais. Foi uma boa lembrança.

Neste texto Suzana Gutierrez fala de alguns pressupostos de seu projeto, o zaptlogs. Destaco algumas partes:
"a questão não é se e sim quando um terminal de computador vai fazer parte do cotidiano de cada cidadão" (pg2)

"A meu ver, a principal contradição é a de que as tecnologias educacionais
informatizadas (TEI) podem ser as tecnologias da educação (AXT, 2000) no sentido em
que são frutos de um projeto de sociedade e de educação dirigido pela e para a
participação coerente e crítica de todos. Ou podem ser tecnologias na educação, na
medida que forem a objetivação das idéias e do projeto de mundo de uma classe
dominante. Nesse sentido, se não nos apressarmos em construir as tecnologias da
educação acabaremos tendo que aceitar algumas tecnologias na educação." (pg2)


"a velocidade e a dimensão com que as transformações vêm
ocorrendo aumentam a nossa insegurança frente à complexidade de todo este processo."(pg2)

"Todas as questões referentes ao uso da tecnologia, a sua criação, seu papel no
cotidiano das pessoas, os espaços e interações que elas criam, as relações que emergem
nestes espaços, são questões importantes e urgentes para a humanidade. A
disponibilidade deste viver em rede, pelos desdobramentos múltiplos e profundos que
possui, requer que nos apropriemos deste conhecimento para podermos participar de
forma consciente, crítica e eficiente da construção das relações que emergem nestes
espaços."(pg3)
a informação deve ser significada para se tornar conhecimento a aprendizagem se dá em comunidades: "Aprender significa compreender, então compreender situa-se no âmbito da
construção do conhecimento (AXT, 2000). Uma construção que não é solitária, pois inclui os conhecimentos anteriores acumulados pela humanidade e o diálogo. A relação dialógica que constrói conhecimento, conforme entende Bakhtin (2000), estabelece-se entre sujeitos de linguagem, entre sujeito e texto e entre textos. Expressa-se nos signos, na linguagem oral e escrita. A digitalização acrescenta a estes meios de construção e expressão do conhecimento toda uma outra formação de signos, outra estrutura de texto, outra dinâmica espaço-temporal e outras relações."(pg6)


sendo assim, o padrão bancário não faz sentido

A autora traz as teorias de Trivinos (2003), qdo ele fala de um ensino baseado na pesquisa-ação crítica, ao qual ela propoe o uso dos blogs:
pesquisa que fomenta processos de igualdade intelectual e de
liberdade democrática entre os educadores de vários níveis, onde os educandos se
inserem como possuidores de conhecimento, com direito à voz e ação; uma modalidade
de ensino que desenvolva a cooperação, que promova o trabalho coletivo e que
possibilite a constituição de comunidades de pesquisadores.

Nessa hora me lembrei de Zabala, que propõe o uso dos diários como instrumento de pesquisa...

A autora também fala do potencial dos blogs como ferramenta de comunicação, lembrando dos webrings, os blogs como ambiente de produção colaborativa do conhecimento, desencadeando processos de expressão criadora escrita, artística, hipertextual. Ou seja, o sujeito deixa de ser consumidor (conteúdo que vem de fora, de forma opressiva, sem significação alguma) para ser autor, para gerar significações próprias... uma aprendizagem verdadeira!

Como o blog tb é um instrumento de memória,
"Eles possibilitam, também, o retorno à própria produção, a reflexão crítica, a re-interpretação de conceitos e práticas." (pg7) é um espaço onde fica registrado o processo, possibilitando novas visitas, novos olhares, tanto dos sujeitos do processo, quanto outros que buscam este espaço: é um espaço de pesquisa!
"Os weblogs registram todas as fases do projeto, sua criação, seu detalhamento e
desenvolvimento até sua finalização. Tornam-se adjuvantes do ensino-pesquisa,
facilitam a implementação de projetos inter e transdisciplinares, dando visibilidade,
alternativas interativas e suporte a projetos que envolvam a escola como um todo e, até,
as famílias e a comunidade." (pg8)
Nessa perspectiva, ela apresenta conhecimento, ciência e tecnologia como patrimônios humanos, assim sujeitos a suas itinerâncias, interdependentes dos processos sociais e históricos.
A autora também apresenta tensões e contradições
"Internamente, existem contradições entre: autor-usuário e autonomiadependência
em relação à criação/utilização do ambiente virtual e na mobilização de
pedagogias. Externamente, o fenômeno como um todo tensiona outras tendências,
como, por exemplo, as que deixam de fora dos espaços educacionais as possibilidades
das TEI ou as que utilizam as TEI na forma de um pacote fechado, instrumental e
acrítico."(pg9)

Estes são pressupostos de seu projeto, o Zaptlog, integrante do Zapt, que acontece(u) na ufrgs. É uma ótima referência!

Gutierrez, Suzana de Souza. Projeto Zaptlogs: as tecnologias educacionais informatizadas no trabalho de educadores. Cinted-UFRGS, Novas tecnologias na educação. V. 1 Nº 2, Setembro, 2003< www.cinted.ufrgs.br/renote/set2003/artigos/projetozaptlogs.pdf>

4 comentários:

Fátima disse...

Oi, Adriana:
Este blog está muito bom, hein?
beijos

peciscas disse...

Para nós, professores, ainda há um longo caminho a percorrer, no que se refere à introdução das novas tecnologias da informação na Educação e no Ensino.

Su disse...

Oi Adriane
Recebi teu email e estava respondendo quando resolvi dar uma olhada aqui e eis que encontro esta referência a um texto meu. Este texto foi escrito em 2003, quando o zaptlogs ainda estava em curso e, portanto, as conclusões dele são poucas e provisórias. A experiência do zaptlogs completa e mais consistente está na minha dissertação, defendida em junho de 2004 . Pode ser acessada na biblioteca digital da Ufrgs >> http://www.biblioteca.ufrgs.br/bibliotecadigital/2004-2/tese-edu-0432196.pdf
bem ... vou voltar para o email :)
abraço

Su disse...

Hum... o link saiu quebrado. Vou mandar por email e, todos os casos, tu podes achá-lo aqui:
http://www.ufrgs.br/tramse/gutierrez/textos.htm